Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médicaca
Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro

Resumo da Reunião Clínica
 
 Data Supervisor
09.12.2010 Dr. Giorgio Trotto
Uma mulher de quase 60 anos, casada há mais de 30 anos e mãe de 3 filhos adultos iniciou recentemente acompanhamento ambulatorial encaminhada pelo médico assistente por apresentar episódios de cefaléia e ansiedade há vários anos, depois da derrocada financeira do marido, que nunca mais conseguiu se reerguer, tornou-se uma pessoa irritadiça e começou a fazer uso abusivo e regular de bebidas alcoólicas. A família passou a ser sustentada pelos filhos, um dos quais abriu um quadro de vitiligo.  Ela e os filhos atribuem ao marido e pai todos os problemas familiares. Todos sentem muita vergonha pelo fracasso do pai e também pela queda das condições de vida da família.

Apesar dos exames neurológicos, clínico e laboratoriais, nada terem evidenciado e de seu médico assistente ter reforçado a importância do tratamento psicoterápico, a paciente foi procurar outra opinião médica, que aventou a possibilidade de a paciente ter uma arterite temporal e indicou uma biópsia, o que rapidamente interessou a paciente. A paciente continua em tratamento.

A partir da constatação de que a paciente apresenta um quadro clínico de estresse crônico relacionado a uma condição de impasse existencial decorrente da incapacidade de elaborar sua situação de vida, discutiu-se o encaminhamento do processo terapêutico. Em primeiro lugar, foi sugerido o estabelecimento de um espaço segurança através do estabelecimento do vínculo terapêutico e da abertura de um espaço interlocução para se diminuir o estresse. Em virtude do risco de a paciente se submeter a exames desnecessários a partir do interesse por ela demonstrado em encontrar uma doença orgânica que justificasse seus sintomas e uma possível síndrome de eutanásia devido à conjugação entre impasse existencial e um intenso sentimento de vergonha, foi também sugerido que se buscasse encontrar e desenvolver algum interesse da paciente a partir do qual pudesse haver melhora da auto-estima e diminuição do intenso sentimento de vergonha dela.

retornana