Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica
Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro

Resumo da Reunião Clínica
 
 Data Supervisor
05.02.2009 Dr. Giorgio Trotto
Uma mulher de pouco mais de cinquenta anos, mãe de dois filhos adultos e divorciada, procurou atendimento ambulatorial por estar sentindo-se deprimida (sic) por causa do alcoolismo de longa data de um dos filhos e pela desconsideração que ambos tem por ela: só a procuram quando precisam de dinheiro. Ao iniciar o tratamento contou que sua mãe fugiu de casa por ter sido diariamente espancada pelo pai por vários anos e que pouco depois disso ela própria foi expulsa de casa pelo pai, que abusou sexualmente dela por anos. Trabalha para se sustentar desde criança, conseguiu graduar-se em um curso técnico e teve três companheiros: o primeiro foi mandado embora por não trabalhar; o segundo, pai de seus filhos, foi expulso de casa ao assediar sexualmente a própria filha e o terceiro também foi mandado embora ao descobrir que era casado. A paciente ainda encontra-se em tratamento e sua terapeuta está vivendo um dilema em virtude de achar que não deve interromper um processo terapêutico exitoso por causa de uma regra institucional que determina que os tratamentos ambulatoriais são com tempo limitado.

Iniciou-se a discussão pelo objetivo do tratamento em questão: a elaboração dos traumas infantis, os quais acabaram por impedir a experiência diádica e impor a experiência edípica à paciente, e que por estarem se repetindo na vida dela estavam começando a fazê-la pensar em desistir da vida. A partir daí, a questão de como alcançar este objetivo num tratamento realizado em um ambulatório de massa se impôs e a psicoterapia focal, com suas características de limite temporal (tanto no tempo de cada sessão quanto na duração do tratamento) e limite de faltas, foi contraposta à psicoterapia dinâmica. Finalmente, algumas propostas para a adaptação da psicoterapia psicodinâmica ao trabalho em um ambulatório de massa foram feitas.

retorna