Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica
Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro

 

Resumo de Reunião Clínica
 
 Data Supervisor
21.09.2006 Dr. Abram Eksterman

Uma senhora de 73 anos, hipertensa, foi internada devido a um episódio de hemorragia digestiva alta. Proveniente de um serviços de emergência da rede pública, deu entrada com muito medo de estar com câncer. Ambos os pais faleceram com esta doença. Este foi um dos temas predominantes nos atendimentos feitos por um dos membros da equipe de Psicologia Médica associada à enfermaria. O outro foi a sua infertilidade, que a levou a adotar uma criança muitos anos e com quem tem uma relação conturbada. Estes temas estiveram presentes em todos os encontros psicoterápicos, de diferentes formas, às vezes beirando a interpretação delirante como quando disse que os mosquitos fêmeas sugaram sua fertilidade deixando-a incapaz de gerar filhos.
Os
exames realizados revelaram a presença de divertículos no intestino. A paciente saiu de alta para acompanhamento ambulatorial aliviada com o fato de não ter câncer e, por isso, achando que não tinha nada.

Discutiu-se com profundidade se o peculiar funcionamento mental da paciente, caracterizado pelo fato dela tentar explicar, recorrentemente, fatos significativos de sua vida, como a doença e a infertilidade, utilizando-se de situações passadas e atuais sem maiores relações com os próprios fatos, revelava uma psicodinâmica psicótica ou não. Também neste sentido está o fato dela estar tão dominada pela fantasia de ter um câncer como os pais a ponto de sair de alta sem considerar, nem mesmo ouvir, seu diagnóstico.
A
reunião foi encerrada com a discussão sobre as possíveis relações entre sintomas orgânicos e o funcionamento mental.

retorna