Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica
Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro

 

Repressão (verdrängung)
 

Definições
Freud empregou este termo em dois sentidos:
a) Em seu sentido específico, designa o processo inconsciente através do qual um conteúdo mental é impedido de
ter acesso a consciência.
b) Em um sentido mais vago, foi algumas vezes utilizado como sinônimo de defesa.

Histórico
O estudo sobre o processo pelo qual um conteúdo mental fica privado de ter acesso à consciência está presente
desde os primeiros trabalhos de Freud. Do ponto de vista psicanalítico, seu artigo sobre as afasias foi seu primeiro
estudo sobre as vicissitudes das representações mentais, base para inúmeros trabalhos posteriores, o que é
reconhecido por ele próprio em seu artigo O Mecanismo Psíquico do Esquecimento (Edição Standard da Obra
Psicológica Completa de Sigmund Freud, vol. III; Ed. Imago, R.J.). Neste artigo Freud diz que o esquecimento
psicológico em tudo é semelhante ao que ocorre nas afasias motoras, exceto pela ausência de lesão neurológica.
Indubitavelmente, a repressão equivale a uma afasia psicológica.
O termo alemão utilizado por Freud (verdrängung) foi traduzido em inglês como repressão e em francês como
recalque, ambos transmitindo uma idéia equivocada a respeito do processo pelo qual uma idéia é impedida de ter
acesso à consciência: ambos dão a impressão que uma idéia é mantida inconsciente graças a uma força de cima
para baixo. Hoje já é de domínio quase geral que não se trata disso. Verdrängnung designa um afastamento,
deslocamento, do tipo que um navio quebra-gelo provoca num mar gelado. É a separação entre afeto e a
representação ideativa que afasta o indivíduo de um auto-conhecimento (consciência). Com esse afastamento, algo
deixa de ter sentido e, portanto, de fazer ou ser parte do indivíduo. E cada componente pulsional terá, então, um
destino ou uma vicissitude diferente.

Clínica
A repressão é um processo em dois tempos: repressão primária ou repressão própriamente dita e a repressão
secundária, ligada ao retorno do reprimido. Substituto é a formação psíquica que toma o lugar da idéia reprimida na
1ª etapa da repressão; o sintoma surge na 2ª etapa, isto é, quando há o retorno do reprimido. As condições para
que ocorra retorno do reprimido estão relacionadas com um enfraquecimento das defesas (fadiga, doença, sono),
um reforço pulsional (puberdade, por exemplo) ou acontecimentos atuais que evoquem o repimido.
A simbolização, os sintomas e a sublimação são derivados mentais do reprimido.
Quanto mais intensa a vida de fantasia, maior repressão ocorreu.
Na histeria, o objeto da repressão é a libido; na neurose obsessiva, é a agressividade; na fobia tanto pode ser a
lidido quanto a agressividade, enquanto que nas psicoses, os mecanismos defensivos utilizados fundamentalmente
são a rejeição e a recusa da realidade (interior ou exterior).

retorna