Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica
Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro

Relação de objeto ou relação objetal
 

Definição
Designa um vasto campo de estudo em franca evolução na Psicanálise e que engloba o relacionamento da pessoa com seus objetos, sejam parciais ou totais, internos ou externos; a escolha objetal, o tipo de relação estabelecida com o objeto e a dinâmica da interação intersubjetiva.

Histórico
Se os escritos de Freud a cerca do papel do objeto interno no funcionamento mental ocupam um papel central no estudo sobre a psicodinâmica, o mesmo não se pode dizer sobre o papel do objeto externo na teoria freudiana: o objeto era apenas o meio através do qual a pulsão alcança a satisfação. Assim, não há como negar a crítica de que a psicologia freudiana é unipessoal e atribui ao objeto externo um papel secundário. Ronald Fairbairn, psicanalista escocês (1889-1964) e Michael Balint, psicanalista húngaro radicado na Inglaterra (1896-1970) foram dos primeiros a se oporem a esse papel secundário atribuído por Freud aos objetos externos. A década de 30 do século passado viu florescer o estudo sobre o papel do objeto externo e atualmente estamos caminhando na direção de uma psicologia bipessoal dentro do campo da intersubjetividade.

retorna