Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica
Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro

 

Inconsciente (Ics)
 

Definição
a) Um dos sistemas mentais descritos por Freud no âmbito de sua primeira teoria topográfica sobre o aparelho
mental (primeira tópica).
b) Conjunto de conteúdos ausentes do campo da consciência.

Histórico
O temo inconsciente já havia sido empregado muito anteriormente à Freud, mas o inconsciente freudiano tem uma
característica até então desconhecida: a dinâmica. Freud demonstrou que certos conteúdos mentais não tem
acesso facil à consciência, muito embora este fato não impeça seus efeitos. Revelou ainda que muitos dos
sintomas mentais emanam exatamente deste grupo de conteúdos mentais inconscientes. A noção de inconsciente
está, portanto, inevitavelmente ligada às idéias de resistência e de defesa.
Freud empregou o termo “inconsciente” desde o início de seus estudos sobre a vida mental, e alguns de seus
principais trabalhos iniciais foram dedicados a demonstrar a existência do sistema inconsciente: A Interpretação
dos Sonhos
(Edição Standard da Obra Psicológica Completa de Sigmund Freud, vols. IV e V; Ed. Imago, R.J.), A
Psicopatologia da Vida Cotidiana
(idem, vol.VI)., Os Chistes e sua relação com o Inconsciente (ibidem, vol.VIII); A
Significação Antitética das Palavras Primitivas
(ibidem, vol.XI); Uma Nota sobre o Inconsciente em Psicanálise
(ibidem, vol.XII). Foi ainda objeto de um amplo estudo em um dos artigos metapsicológicos: O Inconsciente
(ibidem, vol. XIV). Neste último artigo, o sistema inconsciente é diferenciado do sistema perceptivo-consciente
(Prcpt-Cs)
, do qual a consciência faz parte, e do sistema pré-consciente (Pcs).
Até 1923, quando Freud apresentou sua segunda teoria topográfica do aparelho mental (segunda tópica) com as
descrições de ego, id e superego, o inconsciente era praticamente identificado aos conteúdos reprimidos, embora
alguns textos apresentassem o “núcleo do inconsciente” como formado por conteúdos filogeneticamente adquiridos.

Características
É formado pelos representantes das pulsões;
Estes conteúdos são regidos pelos mecanismos específicos do processo primário de pensar: condensação e deslocamento;
Quando investidos libidinalmente, estes conteúdos procuram se expressar na consciência, o que conseguem
através de formações de compromisso;
Ausência de negação, de dúvida e de graus de certeza;
Indiferênça perante a realidade;
Regulação exclusiva pelo Princípio do Prazer

retorna