Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica
Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro

 

Conversão
 

Definição

O termo conversão foi introduzido por Freud para designar o mecanismo de defesa através do qual um conteúdo
mental é transformado, convertido, em fenômenos orgânicos, motores (paralisias, tremores, convulsões, distúrbios da marcha, da deglutição etc.) ou sensitivos (dores, parestesias, anestesias, distúrbios da visão, da audição etc.).

Histórico

Desde o início o termo esteve associado à histeria e foi empregado pela primeira vez nos textos Estudos sobre a
Histeria
e As Psiconeuroses de Defesa (Edição Standard das Obas Completas de Sigmund Freud, vols. II e III, Ed. Imago, R.J.).

A explicação inicial do mecanismo de conversão foi econômica: a energia libidinal é convertida em inervação
somática a partir daquilo que Freud chamou de “complacência somática”: fator constitucional ou adquirido que
predisporia determinado órgão ou aparelho a ser utilizado desta forma. Mas, o objeto de maior interesse
psicanalítico sempre foi o componente simbólico dos sintomas conversivos.

 

Clínica

O sintoma conversivo é a representação, através da linguagem corporal, de um conflito inconsciente. Como todo
sintoma psicológico, a conversão tenta solucionar um conflito e, como toda solução de compromisso, ela é
constituída pelo impulso reprimido e pela interdição do mesmo.

Clinicamente é muito importante fazer-se a distinção entre o sintoma conversivo e a somatização, já que ambos
afetam o funcionamento corporal, mas demandam diferentes abordagens. Enquanto que o sintoma conversivo é a
representação, através da linguagem corporal, de um conflito inconsciente, a somatização é um distúrbio funcional que aponta para e existência de uma situação de estresse.

retorna