Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica
Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro

Complexo de Castração

 

Definição
Complexo centrado na fantasia de castração, que vem trazer uma resposta à criança ao enigma decorrente da
diferença anatômica entre os sexos (presença ou ausência de pênis). A diferença é atribuída ao corte do pênis das
meninas.
O complexo de castração está em íntima relação com o complexo de Édipo, especialmente na função de
interdição.

Histórico do conceito
Embora a elaboração deste conceito tenha sido uma das conseqüências teóricas da análise de um garoto de 5
anos feita por Freud através do pai do menino, que ficou conhecida como o caso do pequeno Hans (”Análise da
fobia de um garoto de 5 anos de idade” in Edição Standard Brasileira da Obra Psicológica Completa de Sigmund
Freud, vol. X, Editora Imago, RJ), ele só foi descrito a primeira vez em 1908 no artigo Sobre as teorias sexuais
infantis
(idem, vol. IX): a teoria que atribui um pênis a todos os seres humanos só pode explicar pela castração o
fato das meninas não o terem.
Anos mais tarde (1923) Freud escreveu A Organização Gential Infantil: uma interpolação à teoria da sexualidade
(idem, vol. XIX) onde descreve a fase fálica, a organização genital infantil que reconhece apenas o masculino e cuja
alternativa é a ausência, a castração.

Clínica
O complexo de castração tem um lugar fundamental na evolução da sexualidade infantil. Sua estruturação e seus
efeitos são diferentes no menino e na menina. O menino teme a castração como a realização de uma ameaça
paterna em resposta às suas atividades sexuais (cujo objeto original é a mãe), do que advém a intensa angústia
de castração
. Na menina, a ausência do pênis é vivenciada como um dano sofrido e que ela procura negar,
compensar ou reparar.
Em relação ao complexo de Édipo, o complexo de castração também situa-se de maneira diferente em cada sexo:
para a menina, a busca do pênis paterno (e seus equivalentes simbólicos, como ter um filho do pai) equivale ao
momento de entrada no Édipo, enquanto que, no menino, o surgimento da angústia de castração sinaliza a crise
final do Édipo, interditando à criança o objeto materno.
A fantasia de castração é encontrada sob diferentes variações: o objeto ameaçado pode ser deslocado (cegueira
de Édipo, arrancar os dentes, amputação de uma perna etc), o ato pode ser substituído por outros danos à
integridade corporal (acidente, cirurgia, etc.) ou psíquica (loucura como conseqüência da masturbação) e o agente
(pai) pode ser substituído (animais).
Seus efeitos clínicos vão desde a inveja do pênis, sentimento de inferioridade, tabu da virgindade, algumas
fenômenos psicopatológicos presentes no homossexualismo e no fetichismo até à impotência e frigidez.

retorna