Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica
Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro

Agressividade
 

Definição
No Vocabulário de Psicanálise de J. Laplanche e J.-B. Pontalis (Ed. Moraes, Lisboa, 3ª edição, 1976) é definida
como “tendência ou conjunto de tendências que se atualizam em comportamentos reais ou fantasmáticos, estes
visando prejudicar outrém, destruí-lo, constrangê-lo, humilhá-lo.
A agressão conhece outras modalidades além da ação motora violenta e destruidora; não existe qualquer
comportamento, quer negativo (recusa de auxílio, por exemplo) quer positivo, simbólico (ironia, por exemplo) ou
efetivamente atuado, que não possa funcionar como agressão.
A Psicanálise atribui uma importância crescente à agressividade, mostrando-a a operar desde cedo no
desenvolvimento do indivíduo e sublinhando o mecanismo complexo de sua fusão e de sua desfusão com a
sexualidade. Esta evolução das idéias culmina com a tentativa de procurar na agressividade um substrato
pulsional único e fundamental na noção de pulsão de morte.”

Histórico
Como podemos ver já a partir da definição, este tema tem sido diferentemente abordado pela Psicanálise.
Primeiramente foi tratado como sentimentos e/ou desejos hostis, conscientes e inconscientes, cuja presença foi
reconhecida por Freud desde o início de sua pesquisa psicanalítica. Em 1909 escreveu dois casos clínicos, o
“caso do pequeno Hans” e o “Homem dos Ratos” (ambos no vol. X da Edição Standard das Obras Psicológicas
Completas de Sigmund Freud, Ed. Imago, R.J.), nos quais a presença de desejos hostis teve papel central no
desencadeamento dos respectivos quadros clínicos. Outro passo foi dado em 1912 no artigo “A Dinâmica da
Transferência” (Edição Standard das Obra Psicológica Completa de Sigmund Freud, vol. XII; Ed. Imago, R.J.) no
qual foi formulado o conceito de ambivalência como sendo a coexistência de desejos e/ou sentimentos amorosos e
hostis direcionados para o mesmo objeto. Com Alfred Adler (1870-1937), um dos quatro membros do seleto grupo
inicial que se reunia com Freud, temos a primeira tentativa de uma visão geral e específica sobre a agressividade.
Em 1908 ele escreveu o artigo “A pulsão de agressão na vida e na neurose”, onde propunha a existência de uma
pulsão agressiva independente e com papel fundamental na constituição das neuroses, o que nunca foi aceito por
Freud. Como é muito bem ressaltado no Dicionário Enciclopédico de Psicanálise – O legado de Freud e Lacan,
publicado no Brasil pela editora Jorge Zahar, até a reformulação de suas concepções sobre a organização pulsional
desencadeada pela conceituação da pulsão de morte Freud não admitia a idéia de uma pulsão especial
de agressão “porque o atributo universal e indispensável de toda pulsão é o carater impulsivo e a capacidade de
deslanchar a motricidade”.
Além dos desejos hostis e da ambivalência, nesta época a agressividade também era objeto de consideração
psicanalítica quando se fundia com a libido dando origem ao sadismo e ao masoquismo, ambos compreendidos
como situações nas quais a satisfação libidinal estaria ligada ao sofrimento. Portanto, até cerca de 1920 a
agressividade era entendida pela Psicanálise como o era pela Biologia: um dos componentes da vida.
As modificações decorrentes da introdução do conceito da pulsão de morte e os desdobramentos teóricos e
clínicos posteriores, principalmente os desenvolvidos pela escola kleineana, acabaram levando a uma superposição
dos conceitos de agressividade e destrutividade, o que tem gerado enorme controvérsia sobre o tema. Enquanto
que os kleineanos propõem que a agressividade seja uma pulsão inata,  primordialmente hostil e destrutiva
para com o objeto para o qual é dirigida, os kohutianos (discípulos de Heinz Kohut [1913-1981], médico
e psicanalista, fundador da Psicologia Psicanalítica do Self) defendem que “a agressividade  é inicialmente
uma função de um esforço ativo, não hostil, a serviço do domínio e da adaptação, só assumindo qualidades hostis e
destrutivas em reação à frustração e ao conflito” (Moore, B.E.; Fine, B.D. Termos e Conceitos Psicanalíticos, Artes
Médicas, P.Alegre, 1992). Em 3 livros seminais, John Bowlby demonstra a função da agressividade na manutenção
de relações fundamentais e uma das possíveis reações  à perda e à separação (Apego, Perda e Separação;
Editora Martins Fontes, S.P.).
Mais recentemente vem sendo observando uma necessidade de proceder-se a diferenciação entre a disposição
psicológica para o desencadeamento de condutas destrutivas e a agressividade, impulso biológico presente em
todas as espécies e ligado à sobrevivência/adaptação. No Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica
do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro adotamos a concepção desenvolvida por Abram
Eksterman de que a destrutividade é um uso psicológico da agressividade.
Nesta mesma direção D. Tenenbaum, mostra a importância da agressividade (diferentemente da destrutividade) na
construção do eu (Pulsão de Morte – Dr. Freud, um antropólogo? in Revista de Psicanálise do Rio de Janeiro, nº 2,
setembro/1992),

Clínica
Também na atividade clínica observa-se a mesma confusão entre agressividade e destrutividade, e o manejo das
manifestações clínicas de ambas varia conforme a compreensão teórica de cada autor. É muito problemático, e
com repercussões iatrogênicas, quando se lida com a agressividade como se esta fosse um equivalente de
destrutividade.
A observação das relações humanas mostra como a agressividade está presente na vida cotidiana, como por
exemplo nas afirmações do eu, nas demarcações de território, nas atitudes defensivas, etc. Da mesma forma,
pode-se observar o quanto o uso psicológico da agressividade, que caracteriza a destrutividade, também está
presente em nosso convívio nos momentos em que agimos e/ou reagimos destrutivamente às mais diversas
situações da vida. Por outro lado, é principalmente nos quadros de neurose obsessiva, paranóia e melancolia que
pode-se observar a institucionalização da destrutividade no funcionamento mental.

retorna